Foto 15-04-14 13 25 02 copy

Design para a Experiência do Usuário: alguém está fazendo isso por você #livro #grátis

livro_thiago_esserThe book is on the table(t)! Há uns vinte dias lancei esse livro sobre Experiência do Usuário (ou User Experience, UX), a partir da minha vivência profissional.

Você pode baixá-lo aqui: www.uxnivers.com/livro

Um livrinho para quem quer ser protagonista no processo de Design.

Uma conversa sobre a vivência de quem trabalha (ou quer trabalhar) com o conceito de Experiência do Usuário dentro das empresas.

Leia o capítulo 2 para ter um gostinho do que é o livro.

***

Uns dias antes, anunciei sobre a publicação do livro no meu Instagram e Facebook, com bons retornos :)

Design para a Experiência do Usuário: alguém está fazendo isso por você.
Autor: Thiago Esser
Primeira versão lançada em 14/04/2014.
Baixe grátis em www.uxnivers.com/livro

10209425204_3608863fe2_k

Como economizar uns bons vinténs no próximo 1 ano?

Como?

 Revendo suas contas.

A partir de uma taxa abusiva cobrada pelo meu banco (o “abusiva” é por minha conta, mas vocês concordariam, vão por mim), resolvi ver se trocava o serviço, ou se renegociava a mensalidade.

Descobri que, pela forma como uso o cartão de crédito, débito em conta e movimentações regulares, eu não precisa pagar NENHUMA TAXA PRO BANCO. Era só eu requisitar isso na agência, eles tinham um plano “taxa zero”.

A partir daí, me empolguei e resolvi ligar pros caras da TV A CABO. Minha meta inicial era aumentar os canais. Uma meta singela, pra eu só me sentir melhor com o que estava pagando. Na negociação, uma vez que a conversa não estava evoluindo, o carinha sugeriu com toda a elegância: “diz que vai cancelar, que a gente faz um desconto”. Eu, consumidor naïf, meio constrangido, aceitei a sugestão. Resultado: mais canais de filmes com um bom desconto pelo período de 1 ano (“depois é só ligar e pedir o desconto de novo”).

Não contente, agora foi a vez da TELEFONIA CELULAR. Essa foi peleia braba. Mas acabei encontrando um ponto pra barganhar: descobri que precisava de menos minutos pra falar, e um pacote de dados maior — a partir da estatística de uso que eles próprios me passaram. Depois disso, foi só entrar no modo “cancelar” e fazer a proposta. Mensalidade menor, menos minutos pra falar e muito mais MBs pra navegar. Aceita!

No fim dessa brincadeira, eu DIMINUI MEUS GASTOS (contas fixas!) no próximo ano em nada menos que R$ 1.500,00, sem cortar nenhum serviço, e inclusive incrementando alguns deles.

E daqui a um ano — ou 6 meses — eu volto. Essa é a lição que aprendi.

(Foto: Thiago Souza)

Dois cursos sobre User Experience #UX no RS, agosto/2014

Inscrições abertas para os dois cursos desse que vos fala (@thiagoesser):

// Minicurso de User Experience (UX) Design em Caxias do Sul. Subindo a serra gaúcha nos dias 02 e 03 agosto/2014  dias 30 e 31 agosto/2014 (data alterada). bit.ly/minux-caxias

// User Experience Design em Porto Alegre. Será um curso de extensão na PUCRS dias 05, 07 e 12 agosto/2014. bit.ly/ux-pucrs

divulga_miniux-caxias-poa-FB2

Outros lugares onde você fica sabendo mais:

4 livros empilhados

4 livros sobre Design, Filosofia e Psicologia que você NÃO tem que ler (mesmo assim, eu recomendo)

Vale lembrar que você não tem que ler nenhum desses livros de que vou falar. Digo isso porque, se disser o contrário, você pode se ofender ou se chatear, assim como a gente se chateia em um momento da vida (colégio, vestibular, vida profissional…) com as leituras obrigatórias.

Não, você não tem que ler.

Uma coisa é certa: os livros a seguir mudaram minha vida. Também não quero que tome isso de forma cerimoniosa. Eles mudaram minha vida, e isso não é um fato banal, mas qual livro não muda, se lido integralmente? Isto é, algum livro é capaz de tirar algo de nós, ao invés de acrescentar? Na pior das hipóteses, um empate, que não é um mal resultado.

1. Gestão Estratégica do Design: Como um ótimo design fará as pessoas amarem sua empresa

O título contém uma promessa e o livro é recheado de cases de sucesso famosos. Se você lê nas entrelinhas, já sabe o que isso quer dizer: Apple. Mas o livro não fica na puxação de saco. Ele destrincha o que é que essa e outras empresas fizeram pra serem lembradas: cuidar do relacionamento com seus clientes/usuários de forma ampla, prestando atenção aos múltiplos pontos de contato entre o seu serviço e eles. É a tal da experiência, explicada de uma forma bem plausível.

2. Uma breve história da Filosofia

Já pensou que a Filosofia pode ser uma forma de auto-ajuda? Só que diferente da auto-ajuda dos livros que você encontra numa das seções da livraria. Ela é ajuda porque nos dá subsídio pra responder ou formular melhor as questões que passam a todo mundo, de alguma forma: “qual o sentido da vida?”, “isso é sonho ou é real?”, “somos livres ou controlados por uma força maior?”etc. E é auto por que, mesmo com ajuda, no fim das contas é conosco, temos que pensar por conta própria.

 3. Comunicação não-violenta

Esse é daqueles livros pra você digerir — e aplicar os conhecimentos que ele traz — ao longo de uma vida inteira. Isso porque ele vai fundo na questão da empatia,  que é um conceito fácil de entender mas dificílimo de praticar (alguém me mostre o contrário, por favor). O livro traz algumas constatações simplesmente radicais: ninguém muda ou ensina nada a ninguém; com culpa ou a contragosto, aquilo que fizermos volta ali adiante em forma de violência (verbal ou física); por trás de xingamentos e de interpretações da conduta alheia, está alguma necessidade emocional nossa não atendida. A comunicação não-violenta propõe uma forma de lidar com isso tudo.

4. Change by Design

Se você é ligado ao Design ou ouve seguido a palavra inovação no seu trabalho, já deve ter ouvido falar em Design Thinking. Talvez esteja de saco cheio de ouvir essas duas palavras juntas, ou ache o máximo (só para ilustrar, veja o que alguns pensam). O livro é dedicado inteiramente a esse conceito, e vale a pena dedicar esse tempo a entendê-lo, nem que seja pra dizer: “mas eu sempre fiz isso”/”já faço há tempo!”.

[Foto do cabeçalho do post: hutterhacks]

ux-book-clu-maio2014

Encontro: “UXD: alguém está fazendo isso por você” no UX Book Club POA

Nessa quinta-feira (08/05/14), vamos nos reunir pra falar sobre o livro Design para a Experiência do Usuário: alguém está fazendo isso por você, que  lancei recente/gratuitamente, como já tinha dito aqui no blog.

O evento acontece dentro da comunidade UX Book Club, na sua versão local de Porto Alegre.

O UX Book Club é uma comunidade que existe em diversas cidades do mundo, formada por pessoas apaixonadas por design de interação, design de interface, arquitetura da informação, usabilidade, interação humano-computador, design visual ou qualquer outra disciplina relacionada a User Experience Design.

Serviço

O que? Encontro do UX Book Club Porto Alegre
Quando? 8 de maio de 2014
Onde? Olivos 657. Rua da Republica 657, Porto Alegre. (Ver evento no Facebook. Talvez para enxergar o evento, você precise antes entrar no grupo do UX Book Club Porto Alegre/RS)
Onde posso baixar o livro? Aqui: uxnivers.com/livro

O Design é “Arte com função”, já a Arte não tem uma função, certo?

homem-cavernas-photoshop
Cartu
m (2013), Rafael Corrêa.

O que diferencia o Design da Arte? O primeiro tem uma função, uma finalidade, enquanto a outra se basta por si só. Design é pra ser útil, Arte é pra fruir. Certo? Pra quem gosta de caixinhas (cada coisa na sua), ou não quer perder tempo discutindo isso, basta saber que as duas são coisas diferentes. Pros que gostam de conversa e não se importam em deixar a questão em aberto, sem pingos nos i-s, aí vai uma conversa com algum fundamento :)

***

Dizer que Design é “Arte com função” pode dar a entender que a Arte não tem função. Isto é: A Arte existe pela Arte. Vem comigo que vou mostrar que tem mais coisa aí.

cadeira-gorduraCadeira com Gordura (1963), Joseph Beuys.
Quando essa cadeira foi exposta, deixou de ser Design?

Um professor de História da Arte costumava dizer pra nós, seus alunos:

A Arte é algo que ainda não conseguimos definir satisfatoriamente. Só o que sabemos é que, desde épocas remotas, o homem não pode prescindir dela.

Em suma, não sabemos exatamente o que é, mas não podemos viver sem ela. Pra mim, isso mostra que ela tem uma função nas nossas vidas, por mais que possa ser diferente daquelas do Design. É bom lembrar as várias que ela já teve até aqui:

  • Função espiritual. A Arte como retrato do espírito da época.
  • Função de representar ou transfigurar a realidade. Vale ser realista ou caricatural.
  • Função de dar prazer estético. Dar algum barato pros sentidos.
  • Função Política. Ser panfletária, ou ser política a seu jeito, dentro da sua linguagem.
  • Função de escandalizar. Mexer com a ordem estabelecida.

Essas funções se alternaram ao longo da história com outras que não listei. Um coisa me parece certa: A Arte existe pela Arte não é uma sentença definitiva; não mata a questão sobre o sentido da sua existência.

E agora, só pra deixá-los com uma pulga atrás da orelha: o Design tem sempre que ser útil e resolver um problema?

cadeira-sonsNoize Chairs (2012). Estúdio Guto Requena.
Uma cadeira feita a partir de sons. Só pra sentar?

10 anos de Metódos Ágeis (grupo) no RS!

Evento onde vou facilitar um open space sobre UX. Aprocheguem-se!

Data: 4 e 5 de abril de 2014
Hora: Das 8:30 às 18:30
Local: UniRitter Porto Alegre (Rua Orfanotrófio, 515, Porto Alegre).

Mais infos…

(Essa artezinha pro livro de assinaturas do evento fui eu que fiz :) 

guma10anos

 

6424815149_629db71999_b

Falar e fazer a coisa certa é maior que tudo

Falar

Tive uma idéia!

Fazer > Falar

Fiz um negócio aqui, olha só!

Falar e fazer > Fazer > Falar

Tive uma idéia, que cês acham?

Ó, lembra daquela idéia de que falamos? Taqui o resultado!

Falar e fazer a coisa certa > Falar e fazer > Fazer > Falar

Tive uma idéia, vamos conversar?

Lembra daquele papo? Pois é, a partir dele cheguei à conclusão de que essa era a melhor coisa a se fazer nesse momento.

Foto: [cipher]

10251145144_30b31659ed_h_ mattcornock

Hangout: o que há de interessante no “Minicurso de UX Design”?

Enquanto houve bate-papo, foi um bate-papo divertido. Depois virou uma apresentação mão-única, também divertida. Aí está o Minicurso de UX Design (www.uxnivers.com/miniux), que eu ministro pela UXniversity, em toda sua glória. 12h em uma.

foto: mattcornock (flickr)

5179946914_c7a88bed77_b

Pergunta: “O que preciso fazer pra ir pra área de UX (User Experience)?”

A partir de uma conversa com uma desenvolvedora de software que fez o Minicurso de UX comigo, querendo saber como entrar nessa área de UX (User Experience).

ela: eu ando pesquisando um monte sobre trabalhos na área de UX, e o que eu leio muito é a questão de ter que saber/ter estudado sobre design para poder ser dessa área.

eu: sim, acho ter um bom fundamento em design é importante.

ela: uhum, mas para começar, tem alguma área que de pra aprender sobre, para então ir pro UX? … eu vi que tem um pessoal que era web designer e foi pra UX.

eu: é super válido, mas não é indispensável




 ser designer para “ir pra UX”. tu pode muito bem ser desenvolvedora e ser “de UX”. na real, tu não vai pra UX… ele vai até ti.

ela: sim, o desenvolvedor que não é aquele ser fechado que só pensa em código e mais código. ele acaba também pensando na questão da usabilidade, em como fazer aquilo que foi passado da melhor forma e tal. eu pelo menos penso assim.

eu: sim! exato. porque UX não é bem uma área. é um jeito de encarar as coisas. aí é que tá o lance!

ela:  sim, 




penso assim também.

(…)

ela: mas para poder trabalhar com a usabilidade e melhor experiencia tem que estar em um lugar que dê bola pra isso, né? e tem muuuuitos lugares onde isso não acontece. assim como deve ter empresas que fazem isso, mas na real nem usam o UX como nome de um cargo.

eu: é. as coisas não são muito óbvias nesse sentido… como tu falou: “empresas que fazem isso, mas na real nem usam o UX como nome de um cargo”. essas são as que valem a pena, mas como identificá-las? e as que usam só o nome, como fazê-las de fato se (pre)ocupar com UX? quando descobrir me fala, hehe.

ela: tentei mudar algumas coisas aqui na minha empresa, mas não fui muito feliz.

eu: não desiste. 



eu passo pelo mesmo, todo o tempo.

ela: bom… agora sei que não preciso especificamente procurar por uma vaga de UX, mas sim um lugar que tenha esse conceito aplicado na empresa. ou melhor ainda, não preciso fazer uma graduação de design pra poder trabalhar com isso \o/

eu: justo.

[Foto: mollystevens]